Estudantes mantém ocupação do Instituto de Educação há 30 dias

Por Kátia Cavalcante

Reuniões, diálogos e manifestação. Foi dessa maneira que os alunos do Instituto de Educação Rangel Pestana de Nova Iguaçu (IERP) tentaram chamar a atenção da direção da escola para melhorias no local principalmente na estrutura, na merenda escolar e também na parte pedagógica. Depois de muitas reivindicações sem nenhuma resposta da direção. A decisão da ocupação foi realizada após uma assembleia que teve a participação com mais de 200 estudantes, e isto na própria escola. Os alunos resolveram ocupar a escola no dia 18 de abril e apoiaram a greve dos professores da rede estadual.

Estendendo também as reivindicações ao setor de manutenção como falta de ar-condicionado na sala de aula, enquanto na sala dos professores e da direção o ar funciona normalmente e, além da manutenção em todos os prédios. Em toda escola há cartazes espalhados com as seguintes frases: “Ocupa IERP”, “Por uma educação melhor”, entre outras. Não há professores no local. Desde ocupação os alunos ficam na escola 24 horas. Eles dormem, se alimentam ali mesmo com comida doada pelos comerciantes. As próprias alunas vão para a cozinha acompanhadas de algumas mães que auxiliam.Todos os dias algumas mães e pais dormem e fazem companhia aos alunos. Tem sempre um responsável no local. Para entender melhor está situação a reportagem do CL esteve no IERP e entrevistou o líder deste movimento, Jefferson Soares,estudante do 3º ano do curso normal do IERP. “O Instituto foi ocupado no dia 18 de abril, às 12h. Ocupamos porque tentamos dialogar com a direção, mas não estava dando certo. Estivemos com o governador Luiz Fernando Pezão para reivindicar sobre o ar-condicionado nas salas de aula e nada foi feito. Também fomos à Metropolitana I, de Nova Iguaçu. Fomos recebidos, mas sempre adiavam a reunião. As diretoras do IERP estavam mais voltadas para a Secretaria do que para nós, alunos. As diretoras colocaram os pais contra nós, dizendo que estávamos usando bebida alcoólica na escola. Não é nada disso! Conseguimos afasta-las no momento em que fomos à Secretaria, sendo que elas é que pediram a exoneração. Praticamente já estávamos na reta final. Já haviam começado a atender as nossas reivindicações, mas com a mudança do secretario de Educação estamos aguardando o que irá acontecer. Segundo ele, a precarização da  Baixada, ocorre há anos. “Tivemos que ocupar a escola para chamar a atenção do governador sobre a nossa reivindicação e as nossas necessidades por mais atividades cultural e mais valorização na formação de professores. Por uma alimentação saudável e higiênica na escola. Na hora de servir a comida encontramos tapuru,cabelo e caramujinho na salada, dentre outras coisas. Chegamos a experimentar iogurte azedo, isto antes da ocupação. As cozinheiras faziam comida e não tinha sabor, era feita de má vontade. Elas diziam que era muita quantidade, mas não é nada disso.Uma outra coisa: não tem ar-condicionado nas salas dos alunos. São mais de 32 salas, em compensação na sala dos professores (que é um prédio tombado) e da direção tem ar-condicionado. A verba chega, mas não é investida nos alunos. As coisas foram piorando a cada ano. Até chegar a este ponto. Quebramos muitos, principalmente o funcionamento da auto-gestão que é espontânea da nossa parte, enquanto a direção não soube gerir. Outro problema são as infiltrações na maioria das salas. Temos bons professores, porém a falta de recursos impede que façam um bom trabalho. Nossa reivindicação não pára por aí: eleição para direção após 40 dias da desocupação, o fim da prova que avalia a meritocracia. Esperamos oficializar as nossas conquistas e a qualquer momento podemos desocupar. Temos a justiça ao nosso lado e então podemos ficar despreocupados com a questão da reintegração de posse. Agora eu quero esclarecer que a ocupação das escolas de São Paulo foi por conta da reorganização escolar imposta  pelo governador Geraldo Alckimin e aqui começou pela greve dos professores, e isto nos impulsionou a ir mais longe.  Por enquanto vamos aguardar o pronunciamento do novo secretario de Educação Wagner Victer”,concluiu Jefferson Soares, 17 anos.

 

 

Polícia Militar vem combatendo o tráfico de drogas

A polícia militar apreendeu no dia 8 de julho, na Rua Floresta Miranda, bairro do K11, Nova Iguaçu três elementos que portavam 260 sacolés de cocaínas, 45 pedras de crack, 215 sacolés de maconha. Os elementos foram conduzidos a DP e foram autuados no art.33 da Lei 11343/06 permanecendo presos.

Granada é encontrada no bairro do Paiol

Policiais encontraram na manhã do dia 8 de julho, uma granada na Rua Capitão Alfredo Antunes, bairro do Paiol, Nilópolis. Uma guarnição esteve no local e observou que a granada estava com pino e alça. Devido ao grande fluxo de pessoas que passavam por ali, para a segurança das pessoas a granada foi encaminhada ao 57º DP onde foi apreendido.

Segurança para Nova Iguaçu

O 20º Batalhão da Polícia Militar de Mesquita está fazendo um trabalho de qualidade na segurança dos bairros de Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis. O Tenente Coronel Dantas tem atuado com a sua equipe de policiais na segurança da população. Vem ocorrendo repreensão de bailes funk irregulares no interior de comunidades, a exemplo Buraco do Boi.

Repórteres exercem dupla função

O Sindicato dos Jornalistas do Município e o Sindicato dos Radialistas do Estado neste mês de maio informou ao Ministério do Trabalho sobre o acúmulo de função de repórteres cinematográficos, que são pressionados a trabalhar como auxiliares de câmera, conforme denúncia da Comissão de Empregados. A Associação de Comunicação Educativa Roquete Pinto (Acerp) – fornecedora de conteúdo para a TV Brasil – e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) serão convocadas para mesa redonda na Delegacia Regional do Trabalho. Esta é a segunda vez que a Acerp é denunciada ao Ministério do Trabalho pelo Sindicato dos Jornalistas em menos de dois anos.

Direitos da Mulher completa um ano

Nilópolis comemorou no dia 27 de agosto com as superintendências municipais dos Direitos da Mulher e da Promoção de Igualdade Racial, o aniversário de um ano da Posse do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e a entrega de certificados do curso Negras Criativas.

Palestra sobre deficiente visual no MAB de Nova Iguaçu

No dia 27 de setembro às 14hs, o MAB estará realizando uma reunião para pessoas com deficiência visual. O palestrante é Alexandre do Sindicato de Deficiente Visual do Rio de Janeiro.

Quem está online
Nós temos 74 visitantes online
Contador de Acessos
Visualizações de Conteúdo : 83402
Clima Tempo

Empresas de rádio e TV recusam negociar salário digno para jornalistas

Os representantes das empresas de rádio e TV não apresentaram nenhuma solução na última rodada da campanha salarial, realizada na sexta-feira (06/06). Foram mantidas as cláusulas da proposta anterior,consideradas insuficientes pela categoria,que rejeitou em assembléia.